O CABEDELO DO PORTO
artigo-o-cabedelo-no-porto-pictury-photo-tours-porto-portugal

Hoje vamos fazer um passeio tão bonito e tão tentador que é irresistível.
Saímos cedo de casa em direcção ao Porto, estacionamos o carro no parque junto à igreja de S Francisco (já falei nesta verdadeira pérola). O nosso programa é irmos de eléctrico até ao passeio alegre na foz e fazer o percurso inverso a pé (é uma caminhada que vale mesmo a pena, vimos embalados pelo mar e depois pelo rio).
O eléctrico é antigo, mas está recuperado, o que faz com que nos transporte de uma forma confortável. A viagem é bonita e conseguimos ver o que nos rodeia calmamente, porque circula devagar. É para mim um gosto ver o movimento de pessoas que entram e saem, turistas, mas também muitos tripeiros com a sua genuína forma de ser e de estar, vale a pena apreciar. Chegamos ao jardim do passeio alegre que acho um dos jardins mais bonitos da cidade, não só por estar junto ao mar, mas também pelo seu desenho e pelas belas fontes. O conjunto de árvores é magnífico, costumamos dizer que as árvores morrem de pé, mas estas são de certeza imortais, estão sempre tão luxuriantes.
Comecemos a nossa caminhada junto ao mar seguindo o recorte da foz do rio Douro. Este percurso é mesmo fotogénico, ouvem-se dezenas de clics. Do nosso lado direito temos o mar, do lado esquerdo o velho casario, algum recuperado e bem, pois a traça mantém-se, como devia ser sempre. Chegamos ao Farol de S. Miguel que é um primitivo farol Português, classificado como imóvel de interesse público no cais do marégrafo. É o primeiro edifício puramente renascentista datado em Portugal e um dos mais antigos da Europa. Mais à frente eis que nos surge um anjo que parece que nos vai abraçar com todo o carinho (e como são bons os abraços). Trata-se do Anjo Gabriel, uma obra soberba da escultora Irene Vilar, nascida em Matosinhos, que dedicou grande parte da sua obra à cidade do Porto. Esta é talvez a sua obra mais emblemática, dedicada à cidade, inaugurada em 2001 e que, segundo a autora “trazia a boa esperança à cidade do Porto”, Salvé quem vier por bem!
Paremos, respirem fundo e abram o coração. Esta paisagem é única e deslumbrante. Conseguimos ver o rio a entrar no mar, a força e o volume da água em correntes opostas. À nossa frente temos o que é para mim um dos meus locais naturais preferidos da cidade e que por isso dá nome ao texto: o cabedelo.
Este local é mágico. Trata-se de uma língua de areia que entra pela água dentro e que me traz maravilhosas recordações de infância. Pés descalços, correr na areia, aquela sensação infantil, tão boa, de liberdade e de pura felicidade. Aquela areia é para mim diferente de todas as outras, mais macia, mais branca. Era um passeio que fazia acompanhada pelo meu pai e pelo meu padrinho (de quem tenho tantas saudades) e que me deixavam ser criança. Íamos num barquinho para a outra margem, o que já era uma festa (tenho um verdadeiro fascínio por barcos, por andar em cima da água), e caminhávamos até descer para a areia, passávamos horas a brincar, a ver as aves, a usufruir sem pressas. Falta falar da minha irmã mais velha que fazia com que este verdadeiro regalo fosse ainda mais especial. Ainda hoje só de olhar para o cabedelo, qualquer tristeza se desvanece.

Reserva natural do Cabedelo
Estuário Do Douro Local Nature Reserve

Toda a envolvente deste anjo protector merece uma demorada atenção. Vamos continuar o passeio. Há uma passagem com uma pequena ponte que é um santuário para quem gosta de aves, nos nossos dias é possível ver espécies que há uns anos atrás não se viam, talvez devido às alterações climáticas de que tanto se fala e a que todos devem merecer uma reflexão. Do nosso lado esquerdo há um edifício muito bonito mas muito degradado que julgo pertencer ao ministério da defesa, merecia ser recuperado, uma pena. Ao nosso lado, lembrem-se que caminhamos junto ao rio, há uma barraquinha com umas mesas onde estão sempre alguns velhos (gosto desta palavra, uso-a com todo o respeito) a jogar cartas, vale a pena parar e ouvir um pouco as conversas, são todos simpáticos e disponíveis, quem sabe se não terão uma boa história para contar. Estamos quase a chegar à ponte da Arrábida, cujo arco é uma bela obra de engenharia. É possível fazer uma escalada pelo interior do arco, recomendo aos mais aventureiros. Aqui existe um dos restaurantes do Porto que mais gosto, pela comida, simpatia do pessoal e, sobretudo pela estonteante localização.
O rio faz uma curva fechada, as duas margens têm uma série de pormenores que merecem a nossa atenção. De repente, lá está ela, a maravilhosa ponte Luís I, ai tão linda! Até lá chegarmos acompanha-nos o velho casario que se estende até ao mar (como diz Carlos Tê, tão bem cantado pelo Rui Veloso, de quem não me canso de falar, porque eles merecem, enchem-nos a alma).
É este Porto que se sente nas entranhas e que nos comove sempre. Nunca nos cansamos de viver e sentir esta cidade e de todas as vezes ficamos mais agradecidos!

 

   Maria José Dias

Pictury Photo Tours