Era uma vez…preparem-se, vou tentar contar a nossa história de muitos anos a viajar pelo país, aquele que já foi tão profundo que não se via vivalma. Agora continua isolado, mas apesar de tudo, mais conhecido e acessível.

Espero que gostem e que tenham um embalo bom, pois não pode ser feito em poucas palavras, é que são muitos anos a dois.

Vamos lá então… Costumamos dizer: “Lembras-te quando éramos pequeninos e fomos à aldeia da Pena?” Sim, éramos, de facto, dois jovens e um dos nossos grandes prazeres era viajar pelo país, conhecê-lo para o podermos celebrar, como tão bem o foi nesses maravilhosos e inesquecíveis guias “As mais belas vilas e aldeias de Portugal” e “O Tempo e a Alma”.

Calcorreamos este Portugal, aquele que sabíamos que quando chegássemos não haveria ninguém como nós só a passear e mesmo os locais eram muito poucos,  sempre com “estórias” tão ricas e tão pobres, duras, mas apesar disso contadas com sorrisos doces em rostos gastos.

Conversavam connosco com uma generosidade que é tão Portuguesa, tão genuína, tão nossa. Mostravam-nos as suas preciosidades que são nestas paragens  as vacas, as ovelhas, as cabras e os cães, sempre os cães, porque esta gente aparentemente rude tem uma ligação muito forte com os seus animais e eles correspondem.

É muito difícil para um citadino perceber que aquele aldeão que não sabe ler, nem escrever, conhece todas as suas ovelhas e que todas têm um nome (para mim são todas iguais…não chega saber ler).

A Lenda

Há uma lenda que se conta nesta aldeia que me parece muito peculiar e que vos quero contar. A Pena fica perto de S. Pedro do Sul (Beira Alta) num “buraco” e a estrada de acesso, na altura, era em terra, imaginam como era difícil lá chegar, mas havia um desfiladeiro estreito que se podia fazer só a pé, muito perigoso, que ligava à aldeia vizinha de uma forma bem mais rápida. Nessa outra aldeia havia um cemitério (a Pena é tão pequena que não tem o seu próprio cemitério). Conta então a lenda que um dia morreu um dos poucos habitantes e os seus amigos resolveram levar o caixão em braços pelo desfiladeiro, acontece que se desequilibraram e caíram, claro que morreram. A partir desse dia o desfiladeiro ficou a ser conhecido como “o desfiladeiro do morto que matou o vivo”.

Apesar do nome, vale a pena fazê-lo com todo o cuidado, a vista é deslumbrante.

Hora de regresso a casa depois de mais um dia em cheio, o Porto espera por nós. Na altura o regresso era sempre feito pelo tabuleiro superior da ponte Luis I (mesmo não sendo o caminho mais rápido para chegar a casa), porque era imperdível e sempre diferente a “cascata S. Joanina”.

 

   Maria José Dias

Pictury Photo Tours